Conceito

Subversivo é todo aquele que pretende mudar o mundo destruindo conceitos, quebrando paradigmas transformando a ordem política, social e econômica estabelecida.

Corneteiro News

Loading...

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Obra faraônica é ignorada pela administração durante a temporada de inverno em Campos do Jordão.

Segundo o “Toten” da Secretaria Estadual de Cultura instalado no pátio do Gazebo no centro da Vila Abernéssia, informando o calendário oficial do 45º Festival de Inverno de Campos do Jordão nenhuma intervenção cultural será realizada naquele local no mês de julho.

Mesmo a Praça da Bandeira e o Gazebo tendo passado recentemente por uma reforma que consumiu milhões de reais dos cofres públicos com a única justificativa de transformar a praça no centro de Abernéssia em um atrativo turístico a Prefeitura e a Secretaria Estadual de Cultura simplesmente ignoraram a sua existência deixando por mais um ano moradores, frequentadores e principalmente os comerciantes da região a margem da principal temporada da cidade.

Sem sequer um projeto do executivo local voltado para o turismo na região de Abernéssia a primeira quinzena da temporada de 2014 já escorreu pelos vãos dos dedos dos comerciantes locais sem que eles tivessem tido a mínima chance de reverter os prejuízos acumulados durante todo o primeiro semestre deste ano.

A decisão do prefeito de protelar sem maiores explicações a nomeação de um Secretario de Turismo que realmente entenda da área e que se dedique em tempo integral a pasta não esta surtindo os efeitos desejados, pelo contrario esta acarretando prejuízos ao crescimento da cidade que dificilmente poderão ser revertidos a curto e a médio prazo.

Apesar da alardeada competência do ultimo secretario que esquentou a cadeira por muito pouco tempo, um ano e meio depois da posse da nova administração ainda aguardamos o anuncio de algum plano de ação que seja realmente viável para o turismo da cidade.

Seria esta a prova que faltava para a população e para os comerciantes perceberem que a atual administração apesar de toda a pompa e circunstância que cercam seus pronunciamentos na realidade nunca teve um projeto sequer voltado para o turismo local?

Enquanto a inércia da prefeitura e da secretaria de turismo por mais um ano comprometem o sucesso da temporada o legislativo finge que os problemas que se acumulam na cidade simplesmente não lhes dizem respeito e engrossam o discurso desconexo do executivo de que estamos passando por tempos de franco desenvolvimento.

Quem sobreviver verá!

Mais um elefante branco?

Orçada em quase $500 mil reais a reforma da Fonte da Amizade e de seu entorno teve inicio em plena temporada, como o local não é frequentado nem por moradores da cidade e muito menos por turistas o transtorno não foi grande o suficiente para gerar reclamações. Muito pelo contrário a reforma milionária deverá deixar toda a área com ares de bulevar francês.

Mesmo com todo este investimento alguns munícipes alertam que o local pode se transformar em mais um elefante branco como se tornou o Gazebo de Abernéssia, caso a prefeitura não faça algo a respeito do prédio abandonado que se encontra bem ao lado da área que esta sendo revitalizada.

Sede do mais tradicional clube esportivo e recreativo da cidade em décadas passadas o maltratado prédio tornou-se símbolo da decadência social e econômica da cidade.

Abandonado há muito tempo e transformado nos últimos anos em ponto de consumo de drogas o prédio já passou por vários princípios de incêndios e hoje oferece um risco real à segurança e a saúde de transeuntes, moradores e trabalhadores da região e se continuar na mesma situação aos futuros frequentadores da nova área de lazer.

Em 2011 o prédio foi alvo de uma tentativa frustrada de desapropriação movida pela prefeitura, mas o processo foi extinto em agosto de 2013 por desistência da autora.

Diante de todos estes fatos hoje o prédio abandonado esta a cada dia mais longe de ser vendido, reativado ou reformado do que nunca.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Sem recursos no caixa da Prefeitura, Câmara de Vereadores banca reforma de escola em Campos do Jordão.

Passou despercebido. Como sempre!

Noticia veiculada no ultimo numero do Jornal O Povo da Serra da Mantiqueira da conta que a Câmara de Vereadores de Campos do Jordão vai bancar com recursos próprios as reformas da Escola Amadeu Carletti Jr na Vila Britânia a mesma Vila que tem outra escola (escola infantil São Francisco) e uma UBS completamente abandonadas.

Para tanto a Câmara anunciou uma devolução de recursos aos cofres públicos no valor de $400 mil reais para que a Prefeitura possa com este dinheiro dar inicio as obras de reforma.

Segundo a noticia, na época em que os vereadores solicitaram a reforma da unidade escolar, o chefe do executivo alegando falta de recursos disse que não havia como atender o pedido.

Curiosamente o mesmo chefe do executivo que alegou não ter recursos ($400 mil reais) para reformar uma Escola já firmou em um ano e meio de mandato contratos milionários como o aluguel da frota oficial e com a nova terceirizada da saúde, sem falar no dinheiro gasto com os Shows em comemoração ao aniversário da cidade.

Por outro lado o mais curioso é saber que em Campos do Jordão a Suíça Brasileira, o principal refugio dos milionários de todo o país na temporada de inverno sobram recursos para os vereadores, mas faltam para as crianças.

E ainda tem gente que acha esta uma ótima noticia. Parem o mundo porque eu quero descer!

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe.

“Quem não é humilde por natureza, tem que ser humilde por esperteza.”
Pedro Bial

Muitos amigos tem me procurado alarmados com a aproximação de mais uma temporada para expressar seus sentimentos de preocupação com os rumos que por mais uma vez a cidade vem tomando, principalmente depois do fragoroso fracasso da ultima temporada e dos feriados posteriores em especial o ultimo de Corpus Christi – fracassos estes que impactaram negativamente nossa economia a curto e a médio prazo de maneira irreversível.

Apesar das reclamações generalizadas sobre os problemas econômicos que independente das simpatias políticas de uns ou de outros afetam a todos da mesma maneira a maior preocupação é com o crescente sentimento mórbido de conformismo e impotência política que esta tomando conta da população.

Antes de achar que é o fim de tudo e que nada se pode fazer, algumas ponderações a respeito do atual momento político jordanense se fazem necessários.

Normalmente com a chegada das eleições presidenciais, governamentais e para a formação dos parlamentos a tendência natural é de se deixar em segundo plano a política local, o que não significa que ela está esquecida, muito pelo contrario, são exatamente nestas ocasiões onde a população aparenta estar sonolenta é que muitas situações obscuras acabam por se clarear.

A situação de aparente tranquilidade e harmonia que o executivo e o legislativo tentam passar a população na realidade é bem outra, e mesmo com a blindagem a que são submetidos por seus respectivos stafs eles sabem muito bem que suas popularidades não chegam nem perto dos números apresentados por seus assessores, e o termômetro que mede a temperatura exata das ruas é a relativa liberdade de imprensa e sobretudo as redes sociais que são fartamente municiadas pela mídia independente.

Prova desta preocupação são os movimentos no tabuleiro político antecipando a corrida eleitoral com a sondagem de alguns nomes principalmente de deslumbrados inocentes úteis (nem tão inocentes e menos úteis ainda) com a única intenção de avaliar a opinião pública, dividir o eleitorado e finalmente enfraquecer possíveis candidaturas de oposição.

Todavia é bom salientar que nunca ouve uma oposição organizada em Campos do Jordão, nem para o bem, nem para o mal. O que sempre tivemos são grupos que se dividem entre os que estando de fora do poder se esforçam para fazer parte dele, e os que fora se articulam na surdina para retomá-lo. Estes em absolutamente nada afetam os planos do governo em exercício. Dor de cabeça real para os políticos eleitos é o grupo dos que sabem que independente da sigla ou do grupo que tome o poder ele sempre estará abaixo das expectativas da população.

Este grupo em particular tira o sono dos governos porque nunca pleiteiam cargos políticos ou eletivos, mas fazem questão de deixar público suas opiniões a respeito da política local.

O mais interessante disto tudo é ter a certeza que apesar da larga experiência política atribuída ao possível candidato tucano a reeleição ele não sabe, talvez por ainda ser novo na cidade, que as criticas da oposição nunca impediram a permanência de um governo no poder, mas sim o fogo amigo de seus aliados com uma pitada de mau humor dos funcionários públicos. É claro!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Fim do Diploma: 5 Anos depois da decisão do STF.

"É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença."
Constituição Federal artigo 5 – IX

Por Antonio Vieira

Há 5 anos em 17/06/2009 o STF tomava a decisão que acabou com a exigência de diploma de jornalista para o exercício da profissão. Os profissionais diplomados e suas entidades gritavam em couro que seria o caos, alegavam que os meios de comunicação iriam substituir os diplomados pelos sem diploma para reduzir seus custos.

Após 5 anos da decisão que eliminou o diploma o que se viu foi muito diferente. Os meios de comunicação da era industrial em franca decadência e o sistema de contratar jornalistas com carteira assinada com ou sem diploma cada vez mais tendo seu espaço reduzido.

A transformação de todo o cenário tem mostrado que ninguém acertou em suas previsões nem os pessimistas nem mesmo os mais otimistas. O que se viu foi uma mudança já em estagio avançado onde os meios de comunicação de massa cada vez mais se encolhem, enquanto as opções digitais se multiplicam em todas as suas formas e possibilidades que as novas tecnologias estão permitindo.

Hoje o profissional que imaginar que vai sobreviver e mesmo ter sucesso sendo empregado na grande mídia pode começar a repensar sua estratégia. O que cada vez mais se vê são sites e blogs especializados em nichos os mais variados e começando a encontrar sustentação financeira por virarem referencia naquele tipo de assunto ou mercado.

O diploma não somente não tem a menor importância como não faz a menor diferença no atual estagio das tecnologias da informação, porque atualmente todos os cidadãos são jornalistas, a própria profissão assim como os meios de comunicação tradicionais estão tendo que se reinventarem para sobreviver.

A ABJ alem de ter trabalhado no Congresso Nacional com o objetivo de impedir que as PECs fossem aprovadas conseguiu que fosse expresso com clareza nos documentos oficiais que mesmo que venham a ser aprovadas não cancelam o direito adquirido dos jornalistas sem diploma que passaram a exercer a profissão, nem muito menos podem alterar uma decisão judicial transitada em julgado em ultima instancia no STF como determina a constituição federal.

Assim como a constituição proíbe PECs que façam alterações em direitos adquiridos e ou expressos na constituição, o que apenas demonstra a ilegalidade de tentar a volta do diploma via alteração constitucional por emenda.

Isso garante que se um dia uma PEC for aprovada poderemos contestá-la com tranqüilidade pois não vai atingir os profissionais sem diploma que estejam trabalhando e alem disto temos dois pareceres jurídicos que foram anexados nos tramites legislativos de dois ex-ministros do STF que deixam claro que as PECs são inconstitucionais.

Trabalhamos agora apoiando as alterações no SUPERSIMPLES para possibilitar que os jornalistas possam operar através deste tipo de legislação e já solicitamos ao ministro Afif Domingos da Secretaria da Micro e Pequena Empresa que inclua também na próxima alteração legislativa os jornalistas na legislação da MEI - microempreendedor individual, o que em nosso entender vai contemplar a grande maioria dos profissionais com um mínimo de carga tributaria.

Nossa visão para o futuro é dar aos jornalistas também uma opção que já está se espalhando pelo mundo e aqui no Brasil ainda está engatinhando, que é a criação de entidades sem fins lucrativos para atuar no jornalismo, deixando a atividade completamente isenta de impostos, estamos em fase final de estruturação do CENTRO BRASILEIRO DE JORNALISMO SEM FINS LUCRATIVOS - CEBRAJOR que vai ter como principal missão, orientar e ajudar a legalização das entidades para os profissionais poderem atuar sem nenhuma carga tributaria e com grande facilidade, que somente a institucionalização dos profissionais como pessoa jurídica permite, ou seja, ter seu CNPJ próprio sem pagar impostos, os interessados já podem consultar e pedir informações pelo email da diretoria da ABJ: abj.diretoria@gmail.com transitoriamente até que o CEBRAJOR esteja funcionando normalmente.

Falta muito pouco para este assunto da volta da exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista no Brasil seja enterrado em definitivo.

Antonio Vieira é presidente da ABJ e jornalista por amor a arte de escrever e se comunicar.

Comissão do Conselho de Comunicação rejeita diploma obrigatório para jornalista.

"Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento e de expressão. Esse direito compreende a liberdade de buscar, receber e difundir informações e idéias de toda natureza, sem consideração de fronteiras, verbalmente ou por escrito, ou em forma impressa ou artística, ou por qualquer outro processo de sua escolha."
Convenção Americana sobre Direitos Humanos- Artigo 13

Da Agência Senado – Via ABJ (Associação Brasileira dos Jornalistas)

Marilia Coêlho

A maioria da Comissão Temática da Liberdade de Expressão, do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional, manifestou-se, nesta segunda-feira (2), contrária à obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista. Por 7 votos a 5, a comissão aprovou o relatório alternativo apresentado pelos conselheiros Alexandre Jobim e Ronaldo Lemos em oposição ao relatório de Celso Schröder. O parecer da comissão segue para a deliberação do plenário do Conselho.

Schröder analisou e apoiou as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 33/2009 e 386/2009, que tramitam na Câmara dos Deputados. Ambas propõem a previsão de obrigatoriedade do diploma para o exercício do Jornalismo no país, com ressalva para os que atuem como colaboradores e os que já exercerem a profissão. As propostas foram feitas após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2009, que considerou inconstitucional a exigência contida no Decreto-Lei 972/1969, que regulamenta a profissão.

Segundo Schröder, que representa a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), a ação de inconstitucionalidade não partiu da sociedade civil, mas de empresas jornalísticas de São Paulo, e tem, como base, a mediocridade.

- Porque, obviamente, está contida na ação dessa empresa, uma ideia de rebaixamento salarial da massa de jornalistas – afirmou.
O relator disse ainda que a decisão traz o que ele chamou de obscurantismo, pois nega o preceito de que o conhecimento qualifica a atividade jornalística.

- [O chamado obscurantismo] reduz a ideia de que o conhecimento qualifica e, portanto, joga, simplesmente, num suposto talento ou capacidade de que essa ou aquela outra pessoa tenham para essa atividade – argumentou.

Para Schröder, a decisão intervém na organização dos jornalistas brasileiros e causa uma confusão entre o Jornalismo e a possibilidade de dar opinião. A conselheira Maria José Braga também se manifestou favorável à obrigatoriedade do diploma. Para ela, é um equívoco confundir jornalismo com opinião. Ela considera ainda que as PECs não ferem a liberdade de expressão dos cidadãos.

- Jornalismo é teoria, Jornalismo é técnica, Jornalismo é ética para fazer com que os mais diversos fatos de relevância ocorridos na sociedade se tornem do conhecimento dessa sociedade – afirmou Maria José Braga.

Contrários

Por sua vez, os conselheiros Alexandre Jobim e Daniel Slavieiro se manifestaram contra a exigência do diploma. Jobim lembrou que ação de inconstitucionalidade interposta no STF também foi de autoria do Ministério Público e não é uma iniciativa exclusiva do empresariado. Jobim argumentou que o Supremo Tribunal Federal é que tem a competência e a palavra final sobre a constitucionalidade de uma lei, e que isso já foi feito.

- Cabe ao Supremo Tribunal Federal julgar a inconstitucionalidade. O Supremo pode até errar, mas é a última palavra – afirmou Jobim.

Para Slavieiro, mesmo com a decisão do Supremo, não houve um decréscimo na contratação, pelas empresas jornalísticas, de profissionais formados em universidades. Slavieiro disse que se a obrigatoriedade do diploma estivesse vigente, não poderiam haver ex-técnicos, ex-jogadores falando sobre a Copa do Mundo este ano.

Jobim considerou aceitável a preocupação de Schröder em relação à responsabilidade dos meios de comunicação com o conteúdo que divulgam. No entanto, para ele, se o veículo é responsável pelo que emite, não vai contratar pessoas irresponsáveis.

- Não é a exigência do diploma de jornalista que vai extirpar do mundo da opinião aqueles que opinam mal, ou de forma irresponsável – disse Jobim.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

quarta-feira, 18 de junho de 2014

A lista negra do partido vermelho.

“Se fosse necessário escolher detestaria menos a tirania de um só do que a de muitos. Um déspota tem sempre alguns bons momentos; uma assembleia de déspotas nunca os tem”
Voltaire

Se alguém tinha alguma duvida a respeito das intenções petistas de implantar em solo brasileiro mais um estado bolivariano acho que depois da divulgação da lista negra de jornalistas no sitio oficial petista assinada por nada mais nada menos que seu vice-presidente esta duvida não existe mais.

E não adianta me dizer que outros partidos usam a mesma estratégia, vide bloqueio de jornalistas na página oficial do governo tucano jordanense no Facebook porque esta atitude não partiu da instituição tucana, mas sim de aspones despreparados ávidos por manter seu emprego custe o que custar e que não sabem por ingenuidade ou por incompetência mesmo justificar o injustificável somente com argumentos, já no caso petista a ordem ou a lista partiu sim da cúpula maltrapilha.

terça-feira, 17 de junho de 2014

A torcida brasileira e o Fuleco da Dilma.

“A plateia só é respeitosa quando não está a entender nada”
Nelson Rodrigues

Enfim o politicamente correto dominou corações e mentes.

O fato de a Presidente ser mulher e de certa idade não a exime do cargo que ocupa e das atitudes que toma.

Se ela e sua trupe não tem o menor pudor com o dinheiro público porque o público deveria ter pudor com o cargo que ela ocupa?

Além disso, colocar a rima cafajeste bem característica dos campos de futebol de todo o mundo somente na conta da elite branca é tão simplista e preconceituosa quanto afirmar que todo pobre é ignorante.

E esta afirmação se torna ainda mais tola quando se sabe que o coro foi puxado pela área vip sim, porem teve inicio no camarote da elite corintiana (ver aqui) a mais beneficiada pelo desvio do dinheiro público e orgulhosa representante da nação maloquera e sofredora - leia-se povão.

Se me perguntarem se concordo com o xingamento direi que não, se me perguntarem se foi desrespeito direi o mesmo.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Um despacho acachapante.

“Chamamos de Ética o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando chamamos de Caráter”
Oscar Wilde

Não que seja relevante, por que realmente não é! Mas Olhem só que interessante o despacho (TC – 791/014/12) assinado pela Conselheira do Tribunal de Contas de São Paulo Cristina de Castro Moraes no dia 03 de junho deste ano que diz respeito a terceirizada que prestava serviços ao Pronto Socorro de Campos do Jordão, e me digam se não é no mínimo constrangedor, e se não comprova a minha tese de que vivemos em um país de instituições de mentirinha!

Antes de esmiuçar o conteúdo do dito despacho gostaria de lembrar que quando este espaço criticava o governo passado assim como critica o atual, era chamado entre outras coisas de arauto do apocalipse, Blog sujo e sensacionalista, e seu redator de vendido, pelego, caneta de aluguel, político frustrado e partidário da política anarquista do quanto pior, melhor. E toda ressalva a respeito de minhas virtudes e qualidades vinha sempre acompanhada da mesma frase: “Deixe a prefeita trabalhar!” – curiosamente a mesma que escuto dos admiradores da atual administração.

Mas vamos ao que realmente interessa...

Em exame o contrato de gestão do Pronto Atendimento assinado em 2010 com valor anual de R$ 6.247.500,60 assim como suas posteriores prorrogações e aditivos sendo: o primeiro em 2011 com reajuste de 8,64% atingindo anualmente R$ 6.787.522,08 e o derradeiro em 2012 reajustado em 5,14% perfazendo um valor anual de R$ 7.136.379,48.

Aqui podemos observar que se trata da analise do contrato da empresa contratada para gerir o Pronto Socorro por três anos a um custo total de mais de $ 20 milhões de reais.

A mesma empresa que no final dos três anos deu um calote em todos os funcionários da cidade deixando centenas de trabalhadores a ver navios, cenário que continua o mesmo até hoje, diga-se de passagem.

Neste trecho do despacho a Conselheira relata as falhas verificadas pelo corpo de auditores lotados na unidade regional de Guaratinguetá como segue:
A)Ausência de protocolo de notificação ao Poder Legislativo sobre a assinatura do ajuste contratual.
B)Ausência de Certificado de Utilidade Pública ou de Beneficência Social da Entidade.
C)Não comprovação de atendimento á Lei de Responsabilidade Fiscal.
D)Falta de cadastro dos responsáveis.
E)Incompatibilidade entre o estatuto social e a finalidade do contrato.
F)Inadequação do plano de trabalho em face dos quantitativos previstos.
G)Remessa extemporânea dos autos ao Tribunal de Contas.
Como se pode constatar o contrato da prefeitura com a terceirizada é repleto de falhas grotescas e escancara a completa falta de seriedade do executivo no trato com o dinheiro público.

Dentre tantos absurdos destaco a falta de notificação a Câmara, a incompatibilidade do estatuto social com a finalidade do contrato e a remessa fora de tempo dos documentos solicitados pelo Tribunal de Contas.

O executivo simplesmente celebrou os ajustes contratuais sem dar a mínima bola para a Câmara de Vereadores que por sua vez para não fugir a regra se fez de morta e fingiu que a fiscalização do erário ($ 20 milhões) não lhe dizia respeito.

Estranhamente nenhum vereador a época se opôs a contratação e se algum se opôs não se esforçou o suficiente para barrar o contrato apesar de a empresa escolhida para atender emergências médicas na cidade por três anos ser conforme o próprio nome já dizia um Instituto Ambiental e Cultural.

Para justificar-se o tal Instituto Ambiental e Cultural fora do prazo enviou ao Tribunal de Contas somente a sua alteração estatutária cuja ata de aprovação foi assinada em 29/06/2010, portanto apenas dois dias antes da assinatura do contrato com a prefeitura que foi celebrada em 01/07/2010, o que configura no mínimo em um escândalo.

Mais escandaloso ainda é a confirmação do Tribunal de Contas de que a prefeitura devidamente notificada a respeito destas falhas simplesmente não respondeu a nenhuma das notificações dando uma solene banana ao Tribunal evidenciando a completa falta de respeito pela instituição. Uma vergonha!

Que nossa ultima administração foi um completo desastre esta mais do que comprovado, o que me deixa extremamente preocupado, no entanto é que a atual esta no mesmo caminho no quesito descaso com o erário e principalmente no desapreço pelo Tribunal de Contas, pois se evidencia no fechamento do vexatório despacho que após um ano e meio a frente do executivo a atual administração também se calou e até o momento não se manifestou a respeito deste escandaloso contrato. Lavou suas mãos em uma clara evidencia de que se não foi participe da irregularidade se fez cúmplice com seu silencio.

Segue despacho...


sexta-feira, 6 de junho de 2014

Atitudes por favor, porque ja cansei das palavras.

“Pobre é o discípulo que não excede o seu mestre”
Leonardo da Vinci

Belas e sábias palavras do Mestre Governador entoados como um mantra na voz do Gafanhoto Prefeito...

Agora é só os dois, tanto mestre como aprendiz tirarem o ensinamento da esfera da teoria e colocá-lo em prática, porque segundo outro mestre: “teoria sem prática não passa de verbalismo”.

video



quinta-feira, 5 de junho de 2014

A Globalização da contradição.

“Arte é manipulação, use sua imaginação”
Bono Vox

A “modinha” brasileira de ser Anti Globo já pode ser tratada como stalking.

O grande x da questão Globo no cenário nacional de hoje é que se tornar bem sucedido no Brasil é pecado, e por ser a Globo a maior em seu ramo de atividade o “padrão Globo” de trabalho é devidamente criminalizado pelo resto da mídia rastaquera.

Gente que diz odiar a grade de programação da dita emissora, mas sabe, e perde tempo discutindo em mínimos detalhes o que acontece em seus bastidores.

O caso Patricia Poeta traduz muito bem esta perseguição modinha amplamente nutrida pela geração esquerda caviar que adora queimar a bandeira Americana em praça pública vestida de calça jeans ao som do Metálica e depois da “luta de classe” contra o Grande Satã Capitalista correr para se reunir no McDonald's para se vangloriarem do feito comendo um delicioso x-bacon com  Coca-Cola e espalhar as imagens da rebeldia mundo afora através do Facebook; sem é lógico perder a hora de pegar um cineminha com a namorada para assistir a estréia da Malévola dos Estúdios Disney.

Se contradição desse dinheiro o Brasil teria um dos maiores PIBs per capita do planeta.

Um fenômeno bem brasileiro de falso patriotismo que nada mais é que pura e simples ignorância tendo em vista que estas mesmas pessoas que odeiam a Globo assistem o Futura, hostilizam a Globo e são assíduos ouvintes da CBN. Vai entender o que se passa nestas mentes privilegiadas!

O mais engraçado desta historia toda é que quem acusa a Globo de manipulação se esquece que a sistemática perseguição a ela também é uma tentativa de manipulação da opinião pública, porem mais covarde por ser dissimulada.

E não se iludam meus caros guerreiros da opressão midiática, na falta das novelas Globais o povo brasileiro será plena e felizmente manipulado pelos péssimos programas de palco do SBT tipo Casos de Família, pelas brincadeiras de muito mau gosto do Pânico da Band, pelo jornalismo tendencioso da Record ou pior ainda... Pelo Super Pop da Rede TV.

Alem do mais, mesmo não tendo TV por assinatura eu descobri há muito tempo que não existe somente a Globo para assistir e mais... Existem TVs estatais de qualidade no Brasil. Vocês sabiam?  



sexta-feira, 30 de maio de 2014

Uma historia irreal sobre uma cidade real.

“Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades”
Barão de Itararé

Realmente vivemos em uma cidade sui generis onde o improvável é o mais possível de acontecer.

Pois é! Hoje me deparei com um despacho de apenas duas laudas do Tribunal de Contas do Estado assinada pelo Auditor Valdenir Antonio Polizeli que eu classificaria de no mínimo como interessante.

O tal despacho diz respeito às analises das contas municipais do exercício de 2010, mais precisamente sobre um contrato onde a prefeitura pagou mais de $245 mil reais pela contratação de serviços de seguro para a frota municipal de veículos.

O interessante neste caso em particular não é nem a natureza do serviço e nem o valor pago pela administração passada, mas sim o fato de que apenas dois anos depois da contratação e do pagamento desta cobertura de sinistro seu sucessor e atual prefeito alegando o sucateamento desta mesma frota de veículos assegurada dois anos antes em mais de $245 mil reais fechou um contrato milionário para alugar uma nova frota zero quilometro.

Das duas, uma: ou este contrato de quase um quarto de milhão de reais foi feito para segurar ferro velho ou nosso atual prefeito (que deve ser chique no urtimo) não suporta andar em carro usado.

De qualquer maneira pagamos as duas contas; tanto à do seguro da frota de ferro velho, como da novinha em folha.

Enquanto nosso suado dinheiro é gasto de forma temerária nossos treze representantes que deveriam estar fiscalizando estes esdrúxulos contratos ao invés de gastarem seu tempo distribuindo homenagens no plenário da câmara continuam dormindo em berço esplêndido – e lá se vão dois anos.

Depois eu é que sou do grupo do quanto pior, melhor...

Durma-se com um barulho destes.




sexta-feira, 16 de maio de 2014

Comunistas recorrem a OEA. Eu vivi para ver isso!

"Onde reina a força, o direito não tem lugar"
Provérbio Português

Depois de mais uma intervenção cirúrgica do Presidente do STF Joaquim Barbosa acabando com a festa dos mensaleiros dentro do Presídio da Papuda em Brasília, surge a noticia que a defesa do condenado petista Jose Dirceu recorreu a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Esta noticia tem varias facetas a serem analisadas, mas a mais interessante e deliciosa sem duvidas é o fato de um comunista de carteirinha, o mais famoso apaniguado dos irmãos Castro ter de recorrer a um organismo capitalista (Americano) para tentar livrar a cara. Isso realmente não tem preço!

Mas o que vou dissecar neste post é o emaranhado jurídico/ridículo em que se transformou o judiciário brasileiro.

Antes que algum advogado ou juiz se arvore em me crucificar é bom se lembrarem que eles somente seguem o que dizem as leis, e as leis são elaboradas e aprovadas pelos legislativos país afora, portanto o judiciário nada mais é do que juntamente com o resto da população uma vitima da ignorância oportunista parlamentar brasileira.

É uma tradição estadista brasileira desde os tempos do império a elaboração de leis para aplacar a ira, acalmar o clamor popular e para “solucionar” qualquer tipo de problema surgido no ceio da sociedade.

Se por um lado isso é o mais sensato procedimento a ser adotado dentro de uma sociedade dita civilizada e democrática, por outro a falta de controle sobre o volume de leis que se sobrepõe umas as outras promove distorções e “injustiças” irreparáveis.

Alem destas deformidades jurídicas também temos de conviver com as leis de conveniência, aquelas que são feitas por encomenda para beneficiar grupos ou pessoas em particular.

E nossos políticos são especialistas neste tipo de propositura e foi exatamente ai que o feitiço se virou contra o feiticeiro.

Recheada de beneplácitos e regalias de todas as naturezas a Lei de Execução Penal brasileira elaborada bem ao estilo hecha la lei, hecha la trampa tinha lá dentro de seu bíblico e incompreensível texto um artigo (artigo 123º da Lei 7.210/84) que muito bem usado pelo Ministro deixou por terra todas as pretensões dos mensaleiros de permanecerem na rua antes de cumprir pelo menos 1/6 de suas penas dentro do presidio da Papuda, em especial o Ex-Ministro Chefe da Casa Civil, aquele mesmo que apesar de ser o mentor político de nosso graças a Deus ex-presidente não era de sua confiança - coisas de republiqueta de bananas.

Cotavam como sempre com a máxima portuguesa: “onde existe a força, o direito não tem lugar”. Porem desta vez a força não estava com eles.

Ou seja! Pela primeira vez e como nunca na historia deste país as Leis, ou a falta delas foi devida e dentro das mais rigorosas (kkkkk) normas jurídicas tupiniquins usada contra os poderosos e contra os milionários.

Esta decisão pode até não perdurar por muito tempo, mas que seja eterna enquanto dure.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

A política é real, surreal são os políticos. (Alan Cláudio Melo)

“Voto obrigatório – Quando os bons defendem causas ruins, é sinal de que tudo pode ser pior”
Reinaldo Azevedo

Se já não bastasse a repressão branca que assombra nossa imprensa com a judicialização da censura agora temos de conviver também com a institucionalização da mordaça eleitoral.

Para quem já sabe um lembrete, para quem não sabe fica a dica:

Segundo o Calendário Eleitoral do TSE a partir do dia dez de junho próximo é assegurado o exército do direito de resposta ao candidato, ao partido político ou a coligação atingidos, ainda que de forma indireta, por conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundidos por qualquer veiculo de comunicação social.

E a partir do dia primeiro de julho é vedado entre outras coisas dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação, veicular ou divulgar filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou critica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente, exceto programas jornalísticos ou debates assim como divulgar nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção, ainda quando preexistente, inclusive se coincidente com o nome de candidato ou com a variação nominal por ele adotada.

Como o texto do Calendário do TSE é completamente subjetivo quem irá determinar o que pode e o que não pode a partir destas datas é o humor de cada juiz. Mais uma perola da democracia tupiniquim.

Então é isso... Vivemos em uma terra de imbecis, ou melhor, em uma terra onde os políticos tratam o resto da nação como verdadeiros imbecis, onde o estado obriga seus cidadãos a participarem do processo eleitoral chancelando nomes e legendas que não os representa, mas o impede leoninamente de emitir suas considerações livre e democraticamente a respeito destes indivíduos e das falidas instituições as quais pertencem.

Estas “sutis” determinações do TSE mostram o quanto a sincera opinião do cidadão é importante para as instituições, partidos e políticos deste país.

Mas esta manipulação da vontade popular não é somente neste período. Neste período ela é apenas mais acintosa, mais beligerante para com o cidadão.

Podemos ver indícios desta hostilidade da classe política e dita intelectual, muito bem representada pelos “formadores de opinião” contra o livre fluxo de idéias e opiniões dentro da sociedade diariamente em pequenos e cirúrgicos comentários onde quem ousa se manifestar contrário a ordem política vigente é imediatamente lançado na vala comum da ignorância e rotulado de partidário de uma facção intolerante com intenções escusas e que dissemina a doutrina da desconstrução da imagem da autoridade, como se isso fosse algo necessário para demonstrar a ineficiência do estado.

Enfim é isso! O eleitor no Brasil é muito importante, pero no mucho!

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Provocações.

“O politicamente correto é uma volta ao passado, quando se acreditava que o homem era essencialmente bom. Mas o homem é fundamentalmente mau”
Pedro Bial

Existe hoje dentro da cultura nacional e principalmente na jordanense a figura dos formadores de opinião, aqueles que supostamente teriam o poder de influenciar a opinião política, social, cultura e moral de outros, com o advento das redes sociais estas figuras se proliferaram de forma incontrolável banalizando o conceito assim como o termo; pior... Por estarem sempre em “evidencia” estes supostos formadores de opinião por receio de caírem em contradição ou de perderem este status se enclausuraram dentro do cômodo padrão do publicamente correto e se tornaram reféns do stabelechiment.

Como nunca tive a menor intenção de dominar a mente de ninguém e muito menos ser referencia a alguém me tornei naturalmente o oposto. Tornei-me membro de um seleto grupo de provocadores de opiniões.

Nós incitamos as pessoas a se questionarem e a questionar os acontecimentos a sua volta e a formarem a sua própria opinião a respeito dos fatos, e isso dentro de uma sociedade elitista, provinciana e lacaia como a nossa é simplesmente imperdoável.

Imbuído deste pensamento resolvi depois da passagem relâmpago e completamente desapercebida do ultimo Secretario de Turismo e na eminência de mais uma temporada, a segunda sob o comando do PSDB na cidade ir atrás de maiores informações a respeito do que esta sendo feito para fomentar o turismo o carro chefe da economia da cidade com a finalidade de provocar dentro da cidade uma discussão a respeito dos rumos que estamos ou não tomando.

Em consulta feita no Portal da Transparência do Governo Paulista apurei que a Secretaria de Turismo do Estado tem até o momento em seus registros 6 convênios com a cidade com movimentação financeira nos últimos 12 meses sendo: 4 para infra estrutura urbana (acessos e recuperação de vias publicas?)e somente 2 efetivamente direcionados para o incremento do turismo, exatamente os dois que mais me chamaram a atenção.

Neste post vou abordar apenas um e logo que me inteirar com mais detalhes a respeito do outro também compartilharei com todos as informações que estiverem em minhas mãos.

Segundo o Portal da Transparência do Estado um destes convênios já aprovado (Convênio 5001022013PR458) destinará pouco mais de $ 490 mil reais para a Urbanização da Praça da Fonte da Amizade e de seu entorno, obra a ser realizada na Vila Abernéssia.
Todos devem conhecer muito bem a Fonte da Amizade e logicamente seu entorno.

Mas para quem não sabe de um lado existe a Av. Frei Orestes Girardi que é paralela a linha férrea da cidade, de outro faz divisa com o abandonado prédio particular do Clube Abernéssia, nos fundos é contornado pelo Rio Capivari e por derradeiro se afunila em direção a ponte de acesso ao Ginásio Esportivo tudo isso a pouquíssimos metros da Fonte.
Por maior que seja a minha imaginação pelo menos para mim fica difícil saber que projeto tão grandioso pode ser feito ali que consuma este montante em dinheiro, mas se é para o bem de todos os admiradores do menino e felicidade geral dos jordanense...

Mas é exatamente ai que a coisa fica senão obscura; pelo menos estranha!

No mesmo Portal do Governo do Estado existe a informação que desde o dia 31 de janeiro deste ano, ou seja, a mais de três meses $295 mil reais, mais da metade do recurso total já foram liberados para a execução do “projeto”, diante desta informação alguém que conheça o local pode me dizer se algo ali já foi feito ou se pelo menos alguém tem conhecimento das mudanças que deverão acontecer no local?

Notem!  Em nenhum momento eu coloquei em duvida a lisura ou a importância do projeto nem mesmo da verba destinada e menos ainda a da já liberada, porem na medida em que sou impedido de fazer estes questionamentos diretamente na pagina oficial da prefeitura no Facebook, mesmo sendo um jornalista devidamente inscrito no Ministério do Trabalho e membro de uma Associação Nacional da Classe e principalmente como cidadão, me dão o pleno direito de achar e de imaginar o que bem entender.

E o que estou achando neste momento é que existe alguma coisa que não esta funcionando como deveria estar dentro da prefeitura e em especial na Secretaria de Turismo.

Eu até poderia pedir a ajuda de nossos vereadores para tentar entender este convênio e seu entorno, mas de onde não se espera muita coisa, daí é que não sai nada mesmo.

Estão ai mais 490 mil novos problemas para os jordanenses. É pouco?!